Por falta de pagamento, paralisação será realizada no Casep de Criciúma

Funcionários do Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep) de Criciúma, local...

Por Tcharlles Fernandes

Funcionários do Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep) de Criciúma, local que abriga menores infratores, realizarão uma paralisação com início amanhã pela manhã. O motivo é a falta de pagamento com atraso de dois meses. Esta não é a primeira vez que ocorre o impasse. No ano passado houve uma paralisação pelo mesmo motivo. Tumultos provocados por adolescentes chegaram a ser registrados por conta da proibição de visitas de familiares e saída aos pátios.

“O Casep está lotado de adolescentes. Falaram que não pagaram ainda porque estão devendo R$ 900. Já foi avisado que vamos todos pra rua (demissão) no dia 24 de dezembro”, relatou um funcionário. “Amanhã às 7h vamos cruzar os braços e ir pra frente do Casep”, adiantou.

Na primeira paralisação no final do ano passado, funcionários que deram entrevista e foram identificados foram demitidos em seguida por represália. O Casep até então era sob administração terceirizada pela ONG Multiplicando Talentos, alvo de uma operação do Gaeco por desvio de verbas o qual o presidente, Eduardo Milioli, segue preso. Desde a Operação Talentos, o Estado assumiu diretamente a administração.   Fonte: Rádio Hulha Negra

Recomendados para você

Canil de Criciúma alcança números impressionantes e é destaque no estado

Canil de Criciúma alcança números impressionantes e é destaque no estado

O Canil (K9) de Criciúma já auxiliou na apreensão de mais de 15 quilos de drogas e 12 armas de fogos somente no ano de 2019.

Buscando aproximar a população da vivência com armas, Clube de Tiro é inaugurado em Criciúma

Buscando aproximar a população da vivência com armas, Clube de Tiro é inaugurado em Criciúma

Trata-se do primeiro Clube JUST IN TIME do Sul de SC.

Ação conjunta entrega cobertores e agasalhos para moradores de rua em Criciúma

Ação conjunta entrega cobertores e agasalhos para moradores de rua em Criciúma

De acordo com o coordenador da Defesa Civil de Criciúma, Dioni Borba, são realizadas de dez a 15 abordagens por noite.