Como os deputados federais de SC votam para a presidência da Câmara dos Deputados

Dos 16 deputados, cinco declararam apoio a Lira, enquanto Rossi tem o voto de três

Por Tcharlles Fernandes

O Congresso decide nesta segunda-feira (1º) quem irá presidir a Câmara dos Deputados pelos próximos dois anos. Entre as nove candidaturas apresentadas, duas têm mais força: a de Arthur Lira (PP-AL) e Baleia Rossi (DEM-SP). Dos 16 deputados federais catarinenses, cinco declararam voto a Lira. Outros três apoiam a candidatura de Rossi, nome apoiado pelo atual presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Candidato do partido Novo, Marcel Van Hattem é apoiado pelo companheiro de partido, o deputado catarinense Gilson Marques. Três parlamentares se dizem indecisos e um prefere não declarar o voto.

Arthur Lira tem recebido apoio público do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para sua candidatura. Ele tem apoio dos partidos da base governista e promoveu um racha interno no PSL que também tem um candidato na disputa. Em seu primeiro mandato, o General Peternelli (PSL-SP) lançou uma candidatura independente.

O deputado Daniel Freitas faz parte de um grupo do PSL que assinou uma lista em defesa da candidatura de Lira em detrimento ao candidato do próprio partido.

— Eu confio na eleição do Arthur Lira. Ele reúne as condições que nós acreditamos que possam conduzir nos próximos dois anos para o caminho que o Brasil precisa — afirmou.

Já o deputado Coronel Armando (PSL) foi enfático ao defender o voto em Arthur Lira contra o candidato de Rodrigo Maia. Para o deputado, ao longo do mandato Maia tirou de discussão diversas pautas governistas como o debate sobre a carteira de estudante digital e a dispensa da obrigatoriedade para a publicação de balanços comerciais em jornais.

— É o candidato mais viável. Não que ele vá defender o governo, mas vai colocar em discussão as pautas do executivo — afirmou o deputado.

Lira esteve em Santa Catarina em janeiro. Na ocasião, o deputado defendeu ser necessária a votação do orçamento de 2021 antes de se discutir o auxílio emergencial. A fala aconteceu durante um encontro com deputados federais em um hotel de Florianópolis.

Na bancada catarinense, Baleia Rossi tem o apoio dos companheiros de partido e do deputado petista Pedro Uczai. Rossi esteve em Santa Catarina durante a campanha e se reuniu com deputados, senadores e políticos catarinenses. Em discurso a empresa, falou sobre benefícios durante a pandemia e a independência da Câmara dos Deputados.

Os deputados Carmen Zanotto (CIDADANIA), Geovania de Sá (PSDB) e Rodrigo Coelho (PSB) aguardam a reunião dos partidos ou ainda não definiram os votos. Já Fabio Schiochet (PSL) disse que não vai revelar sua preferência.

Licenciado do cargo legislativo, o deputado Peninha (MDB) reassume para votar. Mesmo com uma candidatura de seu partido anunciada — Fábio Ramalho (MDB-MG) — ele ainda não definiu o voto. Peninha, no entanto, é um conhecido apoiador do presidente Bolsonaro e pode seguir o voto da base governista.

O sucessor de Rodrigo Maia será definido em votação na segunda-feira (1º). A votação presencial será secreta e por sistema eletrônico. Para ser eleito, o candidato precisa ter a maioria absoluta dos votos no primeiro turno (257 votos). Caso a disputa vá para o segundo turno, concorrem os dois candidatos mais votados.

Além de Lira, Rossi, Hattem, Peternelli e Ramalho, outros cinco candidatos estavam na disputa até a manhã desta segunda-feira. Em seu sexto mandato, Luiza Erundina (PSOL-SP) criou um racha ao lançar a candidatura após seu partido apoiar Baleia Rossi.

Alexandre Frota (PSDB-SP), André Janones (Avante-MG) e Capitão Augusto (PL-SP) também estão na disputa.

Recomendados para você

Criciúma pode ter um delegado como candidato a prefeito

Criciúma pode ter um delegado como candidato a prefeito

O delegado é cidadão honorário de Criciúma.

Deputado catarinense faz projeto fake do 1.º de abril, ‘o dia em que o socialismo deu certo’

Deputado catarinense faz projeto fake do 1.º de abril, ‘o dia em que o socialismo deu certo’

Bruno Souza, da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, faz troça com 'dia da mentira'

Sergio Moro deve aceitar convite de Bolsonaro para ser ministro

Sergio Moro deve aceitar convite de Bolsonaro para ser ministro

Juiz assumirá o Ministério da Justiça e da Segurança Pública, uma fusão entre duas pastas que existem hoje. Com isso, a Polícia Federal ficará subordinada a ele.