Senado aprova reajuste de 16,38% a ministros do STF

O subsídio dos magistrados passará de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil, e estará aberta a porta para os desdobramentos.

Por Redação

O reajuste de 16,38% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) foi aprovado na tarde desta quarta-feira (7) no plenário do Senado, por 41 votos a 16. A proposta segue agora para a sanção do presidente Michel Temer.

O impacto estimado do aumento é de R$ 2,77 milhões para o STF e de R$ 717,1 milhões para o Poder Judiciário. O subsídio dos magistrados passará de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil, e estará aberta a porta para os desdobramentos.

Poderá haver reflexos no Judiciário, Executivo, Legislativo e Ministério Público, além dos Tribunais de Contas e das Defensorias Públicas.Se considerado o "efeito cascata" nos demais poderes e também nas unidades da federação, as despesas totais com salários de servidores públicos de todo o país podem aumentar em até R$ 4 bilhões, segundo projeções de técnicos da Câmara dos Deputados e do Senado.

Segundo o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), durante leitura de parecer no plenário da Casa, o presidente do STF, Dias Toffoli, se compromete a acabar com o auxílio-moradia. Isso, disse ele, diminuiria o impacto nas contas públicas.

— Levando em consideração a situação remuneratória dos membros do STF e da magistratura federal, que já estão há vários anos sem recomposição de seus subsídios, consideramos que o projeto deve ser aprovado — pontuou Bezerra, ao ler seu parecer. Bezerra foi designado relator pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que articulou nos bastidores para votar ontem os projetos.

Mais cedo, nesta quarta, o presidente eleito Jair Bolsonaro mostrou contrariedade com a proposta de reajuste.

— Obviamente que não é o momento. O que está em jogo é o futuro do Brasil. Vejo com preocupação. Estamos todos no mesmo barco — disse Bolsonaro ao deixar reunião com o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Rossato.

Articulações

Durante toda a tarde, integrantes de entidades ligadas a magistrados peregrinaram pelos gabinetes dos senadores. Na tentativa de sensibilizar os parlamentares, os servidores lembraram do acordo fechado entre os presidentes da República, Michel Temer, e do STF, Dias Toffoli, atrelando o aumento à restrição do auxílio-moradia, um dos benefícios do Judiciário mais criticados por parlamentares.

Toffoli utilizou o argumento em uma conversa com a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS), nesta quarta-feira (7), durante almoço na Embaixada do Chile. Inicialmente contrária ao texto, a parlamentar preferiu não votar, embora estivesse no plenário.

Aprovado em 2016 pela Câmara dos Deputados, o tema estava parado desde então na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. O então relator, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), havia emitido parecer contrário ao aumento.

Durante a votação, ele protestou na tribuna contra a apreciação da matéria, advertindo que o rombo poderá chegar a R$ 6 bilhões, na projeção de consultores do Senado, devido ao efeito cascata.

A votação do projeto foi articulada pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que garantiu a aprovação de um pedido de urgência da matéria na noite de terça-feira, no mesmo dia em que participou de uma reunião com o presidente do STF.

Oposição faz coro às críticas

Senadores afirmaram que foram pegos de surpresa com a manobra. Apesar da expectativa de embates no futuro governo, a oposição fez coro às críticas de Bolsonaro.— É inadequado, anacrônico, antagônico à realidade do Brasil atual. Há Estados quebrados, muitas categorias de servidores públicos com arrocho salarial — criticou Randolfe Rodrigues (Rede-AP), destacando que, apesar de concordar sobre o tema com o futuro presidente, será oposição ao novo governo.

Entre os senadores que foram à tribuna defender o aumento, estavam Renan Calheiros (MDB-AL) e Romero Jucá (MDB-RR), que elogiaram Eunício pela "coragem" em pautar o tema. Jucá defendeu que a medida não cria novos gastos para a União, mas garante a independência no uso dos recursos encaminhado ao Judiciário.

— O teto será cumprido. Não estamos aqui discutindo aumento de gasto do Poder Judiciário — disse.

Além do reajuste aos integrantes do STF, outro projeto votado aprovou o mesmo índice de reposição salarial ao procurador-geral da República.

Recomendados para você

Bolsonaro muda de estratégia sobre flexibilização de armas

Bolsonaro muda de estratégia sobre flexibilização de armas

Em cenário desfavorável, presidente revogou nesta terça-feira texto de 22 de maio.

Eduardo Moreira deverá presidir o MDB de Criciúma

Eduardo Moreira deverá presidir o MDB de Criciúma

Político acredita que esse passo é importante na corrida ao Senado.

Marco Aurélio Mello determina soltura de todos os presos com condenação após 2ª instância

Marco Aurélio Mello determina soltura de todos os presos com condenação após 2ª instância

Ministro do STF deferiu pedido apresentado pelo PCdoB; decisão se estende ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que aguarda julgamento de recursos em instâncias superiores.