Depressão em policiais militares: uma possível decorrência das atividade laborais

Uma das áreas profissionais mais perigosas, física e mentalmente.

Por Tcharlles Fernandes

Policiais, em todo o mundo, constituem uma das categorias de trabalho com maior risco de vida e de estresse. No caso específico dos policiais militares, o nível de estresse tem sido apontado como superior ao de outras categorias profissionais, não só pela natureza das atividades que realizam, mas também pela sobrecarga de trabalho e pelas relações internas à corporação cuja organização se fundamenta em hierarquia rígida e disciplina militar.

Tais características estruturantes tornam a instituição resistente a
mudanças e repercutem na saúde física e mental dos servidores. Destacam-se, ainda, como fontes geradoras de estresse, as relações, por vezes, tensas e conflituosas dos policiais com o Sistema de Justiça e com o público a quem atendem.

As condições de saúde e de trabalho tendem a ser extremas, pois eles lidam com elevados índices de criminalidade de grupos organizados de criminosos armados. Os constantes riscos a que o policial militar se expõe em função do
exercício da sua profissão, geralmente, levam a sentir medo, por si mesmo e por sua família, tanto de ser reconhecido como agente da segurança nos períodos de folga do trabalho, quando aumenta seu risco de vitimização, como de ser agredido e morto no desempenho das suas funções.

Esse medo é uma forma de defesa do corpo e do espírito dos que vivem sempre alerta aos perigos. No entanto, quando o estado de tensão e o desgaste físico e emocional são constantes, eles podem gerar diversos prejuízos à saúde e à qualidade de vida, dentre eles, estresse e sofrimento psíquico.

Preocupante

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) mostra que aproximadamente em todo o mundo 160 milhões de pessoas adoecem por males coligados ao trabalho por ano. Destes, 22 milhões chegam a óbitos todos os anos por decorrência de doenças laborais e acidentes causados pela precariedade na atmosfera do trabalho. Dentro das enfermidades que causam o afastamento ou falecimento do profissional, encontram-se os transtornos mentais que causam sofrimentos psíquicos, entre outros, tem-se, a depressão, ansiedade e síndrome do pânico.

O início

Os policias são influenciados o tempo todo por diversos fatores negativos que geram depressão, estresse, ansiedade, etc. O cansaço físico e mental e a falta de equilíbrio emocional conduzem esse profissional a assumirem, em alguns momentos, atitudes inconsequentes durante situações confusas. Com essa realidade o desempenho do policial poderá ser comprometido expondo ainda mais a vida do militar e da população a um perigo em potencial.

Além do perigo potencial que a prática do policial acarreta para si mesmo e a população, a morte é uma realidade constante na vida desse profissional, visto que o mesmo precisa lidar com a morte das vítimas, dos bandidos, dos companheiros de farda e com a possibilidade de sua vida ser ceifada a qualquer momento durante o confronto.

Existe saída 

Na profissão policial é de grande importância que a sociedade "abrace" o trabalhador, já que o Estado os vê apenas como números de matrículas. É fundamental que o policial tenha um ambiente familiar saudável e horas para descanso e lazer, pois, isto melhora bastante a qualidade de equilíbrio mental, já que atividade exercida é tão perigosa e estresante. 

Recomendados para você

Quatro bandidos morrem durante fuga em Tijucas

Quatro bandidos morrem durante fuga em Tijucas

Os ladrões assaltaram um estabelecimento comercial e estavam voltando para casa.

Bandidos fortemente armados assaltam ônibus de Criciúma que viajava para SP

Bandidos fortemente armados assaltam ônibus de Criciúma que viajava para SP

Diversos disparos foram efetuados no interior do ônibus. Felizmente ninguém se feriu.

Marido esfaqueia e degola esposa em Forquilhinha

Marido esfaqueia e degola esposa em Forquilhinha

O criminoso confessou o crime e foi preso.