Florianópolis é palco de evento mundial que discute o fim da proibição da caça comercial de baleias

Japão, Noruega e Islândia são defensores da liberação da caça, proibida desde 1946.

Por Redação

Santa Catarina recebe desde esta terça-feira (4) no Costão do Santinho, em Florianópolis, o encontro anual da International Whaling Commission (IWC), também conhecida como Comissão Internacional das Baleias (CBI). É a primeira vez que o evento ocorre no Brasil e o principal tema da reunião plenária, entre os dias 10 e 14 de setembro, será a intenção do Japão de liberar a caça comercial da espécie.

Oitenta e oito países fazem parte da Comissão. A Austrália e o Grupo de Buenos Aires (GBA), formado por representantes da América Latina e Caribe, incluindo o Brasil, são os principais críticos da proposta japonesa.

No mês passado, em uma reunião em Santiago, no Chile, o grupo aprovou uma uma declaração reafirmando o compromisso com a moratória sobre a caça comercial, a rejeição absoluta da continuidade da caça "científica" e o apoio para a proposta de criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul. Esse último projeto foi rejeitado em edições anteriores, mas os defensores dizem ter melhorado o conceito. Para aprovação do santuário e do fim da moratória são necessários 75% dos votos.

O evento em Florianópolis é visto com muita atenção por biólogos e ambientalistas de todo o mundo. Em edições passadas, os japoneses também tentaram aprovar a resolução para a caça aos mamíferos. Desde 1946, quando foi criada a comissão, a prática é proibida, mas em 1986 foi estabelecida a moratória das restrições comerciais.

O Japão ainda o faz sob o pretexto científico, também criticado por membros do órgão. Noruega e Islândia são outros defensores da liberação da caça. Nos últimos dias, o assunto foi tema de uma reportagem do jornal britânico The Guardian, que apresentou a preocupação do governo australiano com a proposta japonesa. Segundo o conteúdo, a Austrália deve enviar uma forte comitiva para o encontro em SC.

Organizações de proteção ambiental programaram atos contrários à aprovação do pedido japonês na Capital. A ONG Sea Shepherd fará manifestações nos dias 8, 9 e 10 no local do evento no Aeroporto Hercílio Luz.

Fonte: Diário Catarinense

Recomendados para você

Um dia de verão nesta terça-feira

Um dia de verão nesta terça-feira

Em áreas mais quentes do Sul e do Oeste a previsão indica picos de 35 a 37ºC.

Enem 2018: 24,2% dos inscritos em SC deixaram de fazer a prova

Enem 2018: 24,2% dos inscritos em SC deixaram de fazer a prova

Em Criciúma tudo ocorreu dentro do previsto.

Ônibus fica pendurado após acidente na Serra do Rio do Rastro

Ônibus fica pendurado após acidente na Serra do Rio do Rastro

Um ônibus ficou pendurado na Serra do Rio do Rastro após colidir contra dois veículos na...