Ex-presidente Michel Temer é preso em São Paulo

Ex-ministros Moreira Franco, Eliseu Padilha e o ex-assessor de Temer, Coronel Lima, também são alvos da operação

Por Redação

O ex-presidente da República Michel Temer (MDB) foi preso em São Paulo na manhã desta quinta-feira (21) em um desdobramento da Operação Lava Jato. A prisão foi autorizada pelo juiz federal Marcelo Bretas, no Rio de Janeiro, para Temer está sendo levado. O emedebista já está no aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo.

Além de Temer, os ex-ministros Moreira Franco, Eliseu Padilha e o ex-assessor de Temer, Coronel Lima, também são alvos da operação, de acordo com o canal por assinatura GloboNews, ao todo seriam oito mandados de prisão. Moreira Franco já foi preso, no Rio de Janeiro, também segundo a GloboNews.

Temer deixou o governo já com três denúncias criminais para responder na Justiça - todas serão foram à primeira instância ao fim do mandato.

As duas primeiras tiveram origem na delação de executivos da JBS e acusam Temer e aliados de receber propinas de empresas beneficiadas por decisões do governo ou contratos públicos.

Na terceira, a atual procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou Temer sob acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro em inquérito que apura um esquema criminoso no setor de portos.

O presidente nega todas as acusações e se diz vítima de uma perseguição.

Questionado por jornalistas se temia ser preso ao deixar o Planalto e perder as proteções garantidas pelo cargo de presidente, Temer se mostrava ofendido.

"Não estou preocupado com esse assunto. Até porque chicotear o presidente é uma coisa. Já o ex-presidente já não vai ter muita graça", disse à revista Época no fim do ano passado.

Vítima de 'trama'

O ex-presidente Michel Temer afirmava, em discursos e entrevistas, ser vítima de uma "trama".

Temer chegou à Presidência em maio de 2016 após o afastamento de Dilma Rousseff e deixou o poder em 1º de janeiro deste ano com apenas 5% de aprovação popular.

Sua derrocada teve início em março de 2017 quando recebeu o empresário da JBS Joesley Batista no Palácio do Jaburu.

Em gravação feita pelo executivo entregue à Lava Jato, o presidente é ouvido falando "tem que manter isso aí, viu?", sobre a boa relação de Joesley com o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, que também está preso em Curitiba.

O executivo registrou a conversa para usá-la em uma delação premiada, e a Procuradoria-Geral da República acusou Temer de dar aval para uma mesada ao ex-deputado. Depois, a legalidade do acordo de delação foi posta em xeque quando veio à tona indícios de que o procurador da República Marcelo Miller, ligado ao então procurador-geral da República Rodrigo Janot, teria orientado as ações de Batista.

Recomendados para você

Eduardo Moreira deverá presidir o MDB de Criciúma

Eduardo Moreira deverá presidir o MDB de Criciúma

Político acredita que esse passo é importante na corrida ao Senado.

Vereadores aprovam projeto que proíbe queima de fogos com barulho em Criciúma

Vereadores aprovam projeto que proíbe queima de fogos com barulho em Criciúma

Projeto de Lei foi aprovado em primeira votação, nesta segunda-feira, dia 10. Objetivo é respeitar crianças, doentes e animais, segundo autora do projeto.

Saiba o que dizem os parlamentares catarinenses a respeito do Estatuto do Desarmamento

Saiba o que dizem os parlamentares catarinenses a respeito do Estatuto do Desarmamento

O Estatuto do Desarmamento é uma lei que foi aprovada em 2003 e, desde então, restringiu muito o acesso de cidadãos comuns às armas de fogo legais.