Cães são deixados para trás em desocupação em Navegantes

A desocupação aconteceu após ordem judicial

Por Tcharlles Fernandes

A desocupação das comunidades Nova Canaã e Monte Sião em Navegantes nesta quinta-feira, por ordem judicial, deixou para trás animais de estimação. Cães e gatos estão em meio ao entulho das casas, que são derrubadas por máquinas. Até o início da tarde, a prefeitura ainda não possuía estimativa de quantos animais foram abandonados no local.

Ainda há pessoas na ocupação, e alguns animais têm dono. Só quando todos tiverem ido embora saberemos a quantidade que ficou disse a secretária adjunta de Saúde, Marluza Trevisan.

Segundo ela, uma equipe do Departamento Municipal de Assistência e Bem-Estar Animal (Daba) acompanha a situação desde o dia 13 de agosto, quando foi interrompido o abastecimento de água e luz e as famílias começaram a deixar a ocupação. A prioridade de recolhimento é para animais doentes ou feridos. Nesta quinta, apenas um gato foi resgatado porque estava machucado.
 
Foto: Luiz Carlos Souza, Arquivo Pessoal

A procuradoria do município informou que os dois cães fotografados pela equipe da NSC, nesta reportagem, já estão sob monitoramento.

Cães e gatos abandonados na área de ocupação serão castrados preventivamente, mas a prefeitura não possui um espaço para mantê-los. O procedimento, nesses casos, é oferecer os animais para doação, depois de castrados. Se não há famílias interessadas, eles voltam para as ruas.

Nas decisões que levaram à desocupação, a Justiça determinou uma série de condicionantes, como a exigência de que o município oferecesse um abrigo para as famílias que não tivessem para onde ir, e passagens de ônibus para quem quisesse voltar para a cidade de origem. Mas não foi exigida nenhuma providência em relação ao eventual abandono de animais.

Fonte: NSC Total

Recomendados para você

Última audiência sobre futuro pedágio na BR-101 ocorre hoje em Brasília

Última audiência sobre futuro pedágio na BR-101 ocorre hoje em Brasília

O trecho que deve ser entregue à iniciativa privada terá 220,4 quilômetros de extensão.

Liberação da caça comercial às baleias é rejeitada após votação em Florianópolis

Liberação da caça comercial às baleias é rejeitada após votação em Florianópolis

Apesar da rejeição, os japoneses disseram que consideram as decisões do grupo validas.

Florianópolis é palco de evento mundial que discute o fim da proibição da caça comercial de baleias

Florianópolis é palco de evento mundial que discute o fim da proibição da caça comercial de baleias

Japão, Noruega e Islândia são defensores da liberação da caça, proibida desde 1946.