Crime: gerente da Unidade de Saúde da Santa Luzia participa de grupo para avisar onde tem blitz em Criciúma

A pena do crime é de um a cinco anos de reclusão.

Por Tcharlles Fernandes

Na manhã desta quarta-feira, dia 25, o Portal Melhores Publicações recebeu com exclusividade prints extraídos de um grupo de WhatsApp onde os participantes trocam informações sobre “blitz” que ocorrem em Criciúma e região. Denominado como “Só brick bom Criciúma“, o grupo reúne, até o momento, cerca de 256 pessoas.

Entre os muitos participantes, destaca-se a presença do atual Gerente da Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro Santa Luzia, Valdir Martins Anacleto. O servidor público da Prefeitura Municipal de Criciúma é ex-presidente da Associação dos Moradores do bairro Mina do Mato e suplente de vereador pelo Partido Progressista (PP).

Valdir informando sobre uma operação após o Porto Imola.

Na data de ontem (24), Valdir informou os integrantes do grupo sobre o local de uma blitz realizada pela Polícia Militar Rodoviária Estadual (PMRv), em Siderópolis. No horário da mensagem, às 10h37min, Valdir era para estar trabalhando na UBS. Antes disso, na segunda-feira (23) a noite, o Gerente de Saúde do bairro Santa Luzia havia questionado como estava a situação entre a Avenida Luiz Lazzarin até o Rio Maina.

A nossa reportagem entrou em contato com o servidor e questionou ele sobre os fatos. Valdir negou sua participação no grupo. “Nunca falei nada no grupo e não quero me manifestar”, disse Valdir.

Ao ser apresentado ao servidor os prints do grupo, Valdir apagou a resposta inicial e mudou de versão. “Gostaria muito de conversar com você antes de qualquer coisa. Errar é humano, corrigir o erro é uma virtude”, finalizou.

Valdir questionando sobre a situação na Avenida Luiz Lazzarin.

Logo após a conversa, às 12h48min, Valdir saiu do grupo.

Crime

Avisar os pontos de blitz, é considerado crime previsto no Código Penal e existe punição. Ao alertar sobre os locais onde há policiamento ostensivo e operações de trânsito, quem faz presta um desserviço à população. O crime pode ser enquadrado como atentado contra a segurança ou ao funcionamento de serviços de utilidade pública, previsto no art. 265 do Código Penal, prevendo pena de reclusão de um a cinco anos, mais multa, com possibilidade de perda de pontos na carteira.

Recomendados para você

Através da GR-9, Brigada Militar prende um dos líderes de facção criminosa de SC

Através da GR-9, Brigada Militar prende um dos líderes de facção criminosa de SC

O bandido é natural de Criciúma.

GR-9 é destaque em Criciúma: grupo policial lidera prisões e apreensões na cidade

GR-9 é destaque em Criciúma: grupo policial lidera prisões e apreensões na cidade

Os policiais da GR-9 são divididos em três equipes compostas por três agentes em cada guarnição.

Nenhum servidor de Criciúma aderiu ao lockdown não remunerado sugerido pelo prefeito

Nenhum servidor de Criciúma aderiu ao lockdown não remunerado sugerido pelo prefeito

O decreto foi assinado na última quarta-feira.